Resenha: Ouro

Hoje decidi falar sobre um livro que me cativou desde o primeiro momento e se transformou num dos meus favoritos.

Em 2013 eu encontrei esse livro enquanto olhava as estantes da livraria, e não sei dizer o que me chamou a atenção nele. A capa em si é simples, não há nada de esplêndido, mas me puxou. Me lembro que, ao ler a contracapa me deparei com a frase “O que acontece no livro é apenas parte da história – o que realmente importa é como você se SENTE ao ler.” e isso imediatamente despertou uma curiosidade imensa em mim, que obviamente comprei o livro.

O que você sacrificaria por aqueles que ama? Kate e Zoe se conheceram aos 19 anos, nas eliminatórias de um programa para jovens talentos do ciclismo de elite — um esporte que exige foco e comprometimento. Após mais de uma década, aos 32 anos, elas se preparam para enfrentar a última e mais grandiosa prova de suas vidas: os Jogos Olímpicos de Londres, em 2012. Amigas e também grandes rivais, Kate e Zoe são atletas no topo do ranking, lutando para vencer a competição mais importante do mundo. Com vidas marcadas pela tragédia, cada uma delas tem muito a perder, e as duas se veem diante do desafio de optar entre a família e a glória no esporte. Contada como somente Chris Cleave é capaz, Ouro é uma história sobre os limites da resistência humana, tanto física quanto emocional, sobre maternidade e amor, e sobre o que nos permite, em nossas diferentes maneiras de agir, alcançar feitos memoráveis. Com grande humanidade, o autor de Pequena Abelha analisa as escolhas que são feitas quando a vida está em risco e tudo o que se ama está em jogo. (grifo meu)

Posso dizer que o devorei e me apaixonei, posso dizer até que mesmo passados os anos não superei ainda o que esse livro me fez sentir!

A princípio parecia ser coisa besta, uma história sobre ciclistas, competição… Me senti desmotivada. Mas assim que li o primeiro capítulo já me apeguei aos personagens e logo me vi tão envolvida na história que não dormia pra poder ler.

Confesso que não posso tratar muito do assunto pois este é um daqueles livros repletos de descoberta, e a cada capítulo eu me surpreendia mais e mais. Confesso também que foi um daqueles livros que me fez chorar, mas não posso dizer que você vai chorar lendo, pois é realmente uma leitura única para cada pessoa, pois depende muito de como você vai se sentir ao ler. E é isso o que tem de mais fantástico nesse livro!

É uma história que envolve escolhas, sentimentos, lutas pessoais, tudo aquilo que todo mundo acaba passando e guardando pra si. Vejo nisso o ápice da ligação entre o leitor e o personagem. A história em si passa a ser apenas um instrumento para tratar de todo o assunto, se tornando algo banal, de forma brilhante.

Sabia que aquilo não se tornaria verdade até que olhasse para trás. Tinha certeza de que se conseguisse pedalar mais rápido que a notícia, ela nunca a alcançaria. (…) Página 231

Chris Cleave definitivamente ganhou uma grande fã com esse livro. Ele foi capaz de me fazer sofrer, torcer, chorar e vibrar pelos personagens, me passou um talento absurdo e me encantou com essa história. Agora aguardo ansiosamente para ler Pequena Abelha, aclamado livro do autor, que já está na estante aguardando sua vez.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *